Cartas · Relatos Pessoais · saúde mental · Sem categoria

A Depressão E Eu | Relato Pessoal

Já me disseram para não dar nome para “isso” que eu tenho. Me disseram para não me apegar a um diagnóstico, para não aumentar em mim a importância dessa sensação. Ao mesmo tempo, as mesmas vozes me dizem para tomar meu remédio todas as noites e me perguntam quando é o meu retorno ao psiquiatra.

E eu, estando na minha pele e tendo a vida há mais de dois anos sendo afetada diariamente por essa doença, respondo mentalmente às vozes: o que eu tenho tem nome, sim. Tem diagnóstico. Tem sintomas, tem importância. Tem tratamento. Chama-se Depressão. E talvez se eu não tivesse nunca lhe chamado pelo nome, hoje não estaria em tratamento e me sentindo muito melhor.

Tudo começou quando levei algumas pancadas da vida, no comecinho de 2014. Eu fiquei muito triste e comecei a faltar às aulas da faculdade, e a tristeza foi virando uma bola de neve cheia de raízes, cada vez mais profundas, em mim. E de repente eu não conseguia mais fugir daquela tristeza, era como se ela fosse muito mais parte de mim do que eu mesma.

Me vi tomada pela sensação de que as coisas me engoliam, por medos crescentes, por inseguranças expandidas, por soluções imediatistas e que me prejudicavam, mas na hora pareciam uma boa opção. Me vi sem controle e perdida, confusa, decepcionada comigo e com o mundo, sem amor próprio, como se toda a minha vida fosse um enorme cancelamento de sonhos, expectativas e alegrias.

Me vi entregando na coordenação do curso um atestado de seis meses. Me vi atrasada pra quase tudo.

E me vi apressada dentro de mim, mas sem conseguir correr. Era a ansiedade me deixando com o coração acelerado, sensação de quase desmaio o dia inteiro, dor de cabeça. Me vi sendo um incômodo. Me senti incomodada. Quis voar de dentro de mim, quis sair daqui.

O mundo ficou cinza. E eu quis sair dele.

Hoje, está passando. Há alguns meses acertamos na médica e ela na medicação. Desde o final do ano passado eu tomo um comprimido por noite, para dormir e controlar a ansiedade durante o dia seguinte.

Hoje é mais fácil ficar aqui.

Mas a depressão ainda existe. Com nome, remédio, dor, falta de apetite.

Eu sou muito sensível. Uma pancadinha um pouco mais forte e começo a perder as vontades e a me perder no choro.

Mas já aprendi que devo respirar fundo e aguentar firme, aguentar firme só mais um pouco. É o último momento de escuridão que puxa o primeiro raio-de-Sol pelo braço.

Já vi isso tantas vezes. O desgosto me machucar e depois, aos poucos, o prazer pelas pequenas coisas ir voltando. O sabor doce do sorvete de morango, o cheiro do mar, a alegria em me arrumar e me achar bonita.

A força volta. Aos poucos, com chá, cuidados, amor-próprio, descanso, paciência, talvez um remédio, uma plantinha nova no quarto. A alegria volta.

E eu não sei direito como. Não existe uma receita de bolo para sair de uma crise, para parar de sentir dor. Mas aliviar as culpas, colocar os pés e as mãos na terra, encontrar pequenas coisas, dar um passo de cada vez, tudo isso ajuda a aguentar um pouco mais, a aguentar até passar.

Receita de bolo. Talvez seja isso. Talvez encontrar a nossa própria, única e incrível receita de bolo seja a tal receita do bolo.

Cada vivência é única e intransferível. Essa é a minha, meio agridoce.

Desejo que, se você estiver sentindo algo de ruim ao ponto de estar adoecendo, você encontre a sua receita. Faça o seu bolo. Passe o seu filminho na sua cabeça. Ache lindo. Saiba que merece respeito.

E que você melhore. ❤

Instagram pessoal é @unicorniossaurorex


dedeblogDenise Dantas. Trescoroense, estudante de Letras, Aquário e Peixes. Unicórnio das trevas, mãe de cachorro, entusiasta de duendes, sommelier de caipirinha. Extremamente sensível, efusiva, de não tão fácil trato, acredita no amor. Chatinha, pequenininha, sincera e apaixonada, escreve e faz tudo pra acalmar o coração. fb-art download f88a80d5-d129-47fe-8053-cf057338f7b3.jpg

Anúncios

16 comentários em “A Depressão E Eu | Relato Pessoal

  1. Encontrei no seu relato um espelho de mim mesma. Ainda não consegui procurar ajuda por medo (não sei dizer sobre o que é meu medo), mas espero conseguir logo.
    Amo a página e o blog, entro todos os dias para dar uma espiada ou encontrar um consolo, vcs me ajudam bastante ❤️

    Curtir

    1. Oii 🌹 eu te desejo força pra passar pelo medo. Que você encontre coisas pequenas que te alegrem, que você dê um passo por vez, que você se respeite pra saber quando precisa procurar ajuda e quando precisa ficar quietinha. 🌼 fale sempre com a gente, pode chamar no inbox da página também!

      Curtir

  2. Seu relato é bem próximo de como tentei traduzir em palavras ao meu psiquiatra, sem sucesso. Acabei por resumir como um cansaço da alma e desejo de fuga de mim mesma. Compreendo você perfeitamente e minha vida está completamente parada há anos. Vejo os outros avançando, melhorando de vida, estudando, trabalhando e ganhando títulos, enquanto continuo na mesma e vou mais e mais me afundando e travando. Daí continuo me dizendo que isso é apenas uma (longa) fase ruim e que tudo tem seu tempo.
    Ainda não me acertei com as medicações, sinto que elas me ajudam a sair da cama mas só isso. Acabei travando meu blog também por causa da depressão e estou tentanto, na verdade me forçando, a voltar para ver se ganho algum gás e algum motivo para sorrir.
    Sucesso no seu tratamento, viu? Você não está sozinha e fico aqui na torcida!

    Curtir

    1. Oii! Fico muito agradecida pelo seu comentário, por me dizer que não estou sozinha, por desejar sucesso no tratamento ❤️ eu desejo o mesmo pra você, também já estive nessa fase sem acertar o remédio, já passei momentos horríveis, pesadelos reais. Mas o mar agitado ensina a gente a navegar, viu? É quem nós somos, é algo que acontece conosco e não temos culpa, não escolhemos. Tem dias que eu também só consigo levantar e zumbizar pela casa. Mas um dia de cada vez, né? Qualquer coisa pode vir aqui conversar comigo, me mandar inbox no instagram, contar como você tá. 🌼🌼🌼

      Curtir

  3. Muito difícil, trato a minha desde o inicio de 2013 e até hoje nada. Estou em crise, não consigo cuidas das minhas filhas (que nasceram nesse meio tempo) , tem horas que quero arrancar todos os meus cabelo. Muito difícil, tento rezar e não consigo, todas as orações não se completam. Jesus me dê forças para sair desse buraco.

    Curtir

    1. Oi, Cibelle. Eu juro que quero que você se sinta abraçada por mim, porque eu imagino como esteja sendo difícil. Desejo que você encontre ajuda, profissional se precisar, e que busque coisas que te fortaleçam. Pode falar com a gente por inbox na página do facebook “Você Não Está Louca”. O pouco de energia que você conseguir reunir, use em coisas que te renovem e realizem, como cuidar das suas filhas. TÔ TE MANDANDO MUITA ENERGIA POSITIVA! Você não tá sozinha. 🌻🌻🌻❤️❤️❤️ pode falar comigo por inbox no instagram também, é @unicorniossaurorex 🌼

      Curtir

  4. Durante muitos anos me vi nessa situação, mas não era nada relacionado ao presente, era o passado que atormentava minha mente.. vítima de abuso sexual aos 6 anos de idade, cresci tentando me esconder, tinha medo de homens, entre tantas outras coisas que me faziam temer, mas foi aos 11 anos que comecei a entender o que tinha se passado realmente, o desespero veio à tona, estava então começando a me conhecer, foi a real idade que me dei conta que meus seios estavam começando a crescer e meu corpo começava a se desenvolver, entrei em pânico, seria aquela uma gravidez? Mas não era, claro que não, o abuso ocorreu aos 6 anos, como aquilo aconteceria tão depois? Mas era uma criança, tinha vergonha de perguntar sobre a mudança do meu corpo pra qualquer pessoa que fosse, inclusive pra professora de ciências que por incrível que pareça, naquela fase que eu estava, ensinava a turma sobre o corpo humano. Percebi então que aquele era um pânico desnecessário, o que viria anos após que me prenderia em pensamentos constantes de suicídio, mas passou… Nunca passei por nenhum tratamento psicológico, vi minhas forças renovadas em Deus e então aos 16 anos relatei o abuso pela primeira vez às pessoas que me transmitiam mais confiança.. meu namorado, por exemplo, foi e tem sido um dos grandes auxiliadores nessa caminhada. A verdade é que Deus nos envia anjos! Hoje aos 20 anos lembro de muita coisa e ainda choro, mas como tudo nessa vida passa, eu sei que todo sentimento ruim que ainda existe também vai passar… mas agora sem depressão!

    Curtir

    1. E pra você eu tenho uma mensagem: Tudo vai passar e vai ficar tudo bem.. “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações.” Salmos 46:1

      Curtir

  5. Nossa, me identifico muito com você ,todas as coisas que sentiu, inclusive tem parado aos poucos de ir à aula por conta disso, é uma sensação muito ruim mais não procurei ajuda profissional por medo de ter que reconhecer que estava com depressão…

    Curtir

  6. Oi eu gostaria de um conselho eu passei por umas situações que me derrubaram também, e eu sofro de ansiedade e muitas pessoas ja me diagnosticaram com depressão.
    Quando eu tava melhor conheci uma pessoa e a gente tava junto e tava tudo bem, mas as vezes tenho umas crises a famosa bad. Mas eu estava me esforçando porque não me sentia sozinha mais (parei até com os remédios de ansiedade que eu tomava por conta) ocupei meu tempo livre com outros trabalhos além do fixo, estava me esforçando pra ser uma boa filha, boa funcionaria, boa namorada. Não queria deixar a peteca em nenhum momento
    Só que mais uma vez eu estou tendo uma crise daquelas que todos dizem que eu não tenho motivo, choro, tenho tonturas, palpitações, fico vermelha e as vezes sofro com outros sintomas que acho que são do sistema nervoso e atingem minha pele.
    Minha namorada me deu um tempo e disse que vai ser bom pra mim, disse que me ama, mas não pode lidar com isso e que um dia vamos voltar. Mas eu não acho que ao afastamento das pessoas que a gente ama vá resultar em melhora
    Estou desabafando e queria saber qual seria a melhor atitude em relação a isso quando eu penso em formas de suicídio, devo encarar isso é buscar ajuda médica?

    Curtir

  7. Eu tenho uma pessoa muito próxima de mim que tem depressão e ansiedade, eu não sei como ajudá-la, estou em completo desespero, e o pior de tudo é que não somos da mesma cidade

    Curtir

  8. Boa noite. Se me permite opinar, não acho que dizer para não se prender aos diagnósticos e depois perguntar pelo seu tratamento sejam atitudes contraditórias. Entendo que quando as pessoas dizem que vc nao se prenda ao diagnóstico na verdade estão te alertando para que ele nao seja uma “muleta”, algo que impeça seu crescimento e evolução. Não tenho dúvidas de que a depressão existe, de que ela limita as pessoas por algum tempo e de que precisa de tratamento. O problema é que muitas pessoas fazem dessa condição algo crônico e justificam uma série de outras coisas com ela. Em uma pessoa que sofre de depressão há logicamente algo que é da patologia mas também há algo da própria pessoa, as dificuldades e potencialidades que ela já tinha antes da doença aparecer. E quando a depressão aparece ela fica na frente de algumas dessas características, as encobre mas não as contamina. “Não se pretender ao diagnóstico ” acaba sendo apenas uma forma de pedir que você veja por trás da depressão, que você não deixe ela pra sempre encobrir o quê é apenas você mesma seja bom ou ruim (e não há problema em ter um lado ruim, não é mesmo?!? Desde que possamos conhece-lo como nosso pra encontrar formas de lidar com ele). Bom, é isso. Acho seu blog sobre saúde mental muito interessante e espero que falar sobre suas experiências a ajude e ajude outras pessoas. Desejo que fique bem. Abraço

    Curtir

  9. Thais, já fui como você, achando que tinha uma opinião formada sobre tudo, só que aos 47 anos de idade tive uma doença no inicio sem diagnóstico, completamente incapacitante, não dormia mais, não conseguia comer, tinha diarréia todos os dias, pressão alta, coração acelerado, emagreci 23 kls, fui hospitalizada com suspeita de câncer, depois de vários exames e muito dinheiro(que eu não tinha) uma psicóloga do hospital veio com o diagnóstico; depressão, e aí, eu que ¨ sabía tudo sobre depressão¨, não sabía que éra uma doença terrível e altamente incapacitante, que chega e rouba você de você e das pessoas que você ama, é morte em vida, é inferno, é abismo. Graças a Deus e a essa psicologa, fui logo encaminhada para uma psiquiatra que acertou os remedios de primeira, mas levou mais de um mes para começarem a fazer efeito. Hoje aos 50 anos, cuido de uma mãe quase inválida, de uma filha de 10 anos, e vou tocando a vida, vivendo apenas um dia de cada vez, porque os remédios não devolvem a alegria de viver eles apenas te tiram do inferno.

    Curtir

  10. olá bom dia. um breve relato da minha vida.
    neste momento estou passando por uma crise de depressão. é algo recorrente em minha vida nos ultimos 20 anos. a primeira vez que senti esses sintomas, passei 1 ano lutando sem saber o que era. na verdade eu tinha conflitos espirituais que me jogaram em uma depressão. eu buscava Deus mas era como se eu não o conhecesse e isso me afligia mais. Mas passou. não usei medicação, apenas fui acostumando com isso, e passei a fazer atividades físicas e mudei a alimentação. em um regime vegetariano. o tempo passou e 3 anos depois, estava recém casado quando aconteceu de novo. o problema não foi tão sério mas me afetou grandemente. então foi a primeira vez que tomei medicação. citalopran. comecei atividade física e sempre mantendo o pensamento de que Deus está no controle de tudo na nossa vida. e depois de uns 3 meses eu estava bem. 4 anos se passaram, e depois de uma carga de estresse entrei em outro quadro. e durou uns 2 a 3 meses novamente. e tem sido assim. ja fazia 4 anos que eu estava bem. mas problemas familiares, pressões do curso de medicina eu desmoronei de novo. e aqui estou, tomei agora pouco meu segundo comprimido de fluoxetina. a madrugada foi difícil aquela sensação horrivel de ansiedade que não passa, os pensamentos que não param. mas vou dizer algumas coisas que me tiraram dos quadros depressão e que tenho certeza que vão me ajudar a sair de novo.
    1- Entenda o processo fisiopatológico que vc está passando, estude sobre o assunto
    2- procure ajuda profissional, a medicação ajuda a estabilizar o fisiológico, enquanto vc vai resolvendo ou se acostumando com o psicossocial
    3- faça atividade física a endorfina e a dopamina vão somar a medicação e vai ajudar muito. ah mas eu não consigo sair de casa….saia assim mesmo. não pare suas atividades., não espere sentir vontade de fazer algo, faça de forma racional. vai ser difícil. sim, mas é dificil o tempo todo. ou parado ou agindo. então faça algo sempre, pois a distração e a medicação, vão disfocando o problema.
    4 – e por ultimo, que na verdade é a primeira coisa. busque a Deus. ele sabe de todas a coisas. cuidado com conselhos de pastores e pessoas que não sabem nada sobre o assunto. ou vão dizer que é o demônio ou dizer que é falta de fé.
    vou deixar esse texto pra vc
    ” Os que submetem a vida a Sua direção e a Seu serviço, jamais se verão colocados numa posição para a qual Ele não haja tomado providências. Seja qual for nossa situação, se somos cumpridores de Sua Palavra, temos um Guia a nos dirigir o caminho, seja qual for nossa perplexidade, temos um seguro Conselheiro; seja qual for nossa tristeza, perda ou solidão, possuímos um Amigo cheio de compassivo interesse.
    busque a DEUS!!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s