Cartas · Crônicas · saúde mental

Minha Primeira Consulta Com Um Psiquiatra Foi Um Lixo

Foi pelo convênio do meu pai, acho que em uma quarta-feira, numa clínica enorme no centro da cidade. Eu estava um pouco nervosa e parei pra comer um pastel. A minha tristeza infinita e a possibilidade de estar com Depressão estavam me fazendo querer desabafar um pouco com qualquer um que parasse para conversar, e eu contei pro senhorzinho do pastel que eu estava naquela rua porque tinha consulta médica. E a boa vontade presente no senhorzinho do pastel era mais ou menos o que eu pensava estar me esperando dentro do consultório médico, mas a consulta foi bem diferente do que eu imaginava e bem menos agradável que a conversinha na pastelaria.

O médico devia ter uns sessenta e cinco anos e era claramente rabugento. Me perguntou o que eu tinha. Nervosa e confusa com tudo o que estava sentindo, me enrolei na hora de responder. Ele, sem pensar duas vezes, me disse “anda, minha filha, eu sou velho, não tenho o dia todo”. Eu não soube o que responder, ficando ainda mais desajeitada. Ele então me perguntou se eu estava muito triste e se tinha perdido o desejo sexual. Respondi sim e não, e a receita começou a ser prescrita. Tudo isso em bem menos de dez minutos. “Isso vai te fazer parar de ficar triste. Uma boa semana e melhoras.” Foi assim que acabou a consulta, sem uma palavrinha a mais por parte do médico psiquiatra, teoricamente formado e bem preparado para atender seus pacientes.

Fui pra casa mentindo pra mim mesma que não havia sido assim tão ruim, que aquele homem devia saber o que estava fazendo com a minha saúde e que eu ia melhorar. Eu sabia, dentro do peito, que tinha sido tratada mal, mas chegando em casa falei pra minha família que a medicação devia estar certa porque eu tinha acabado de sair de uma das maiores clínicas da cidade. Hoje entendo que eu estava envergonhada por ter sido recebida daquela forma, mas na época não.

Na época, eu deixei o tempo passar. Em poucos dias já tinha parado de tomar o remédio. Não fiz retorno. Passaram-se nove meses com altos e baixos e enfim eu me vi muito fraca, muito doente. Voltei, por conta própria, a tomar os comprimidos que me foram receitados em Março, mas sem nenhuma indicação médica naquele momento. E piorei, piorei muito. Piorei porque desde criança eu sei que tenho TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo, e em Dezembro de 2014 passei a ter diversas crises desse transtorno. Fui, então, a outro psiquiatra, que me deixou falar bastante e me explicou o que estava acontecendo. Como o primeiro médico passou cinco minutos comigo, ele não sabia do TOC e me receitou um remédio com um componente que agravava o transtorno. Por isso eu estava com o TOC tão aflorado: porque um péssimo profissional havia me atendido de forma cretina.

O segundo médico psiquiatra que me atendeu foi okay e me ajudou a segurar a barra, estive com ele por seis meses, mas ainda não era o médico certo pra mim. Tive um terceiro, com quem só consultei uma vez, praticamente dormindo, de quem não lembro. E então cheguei à minha atual médica e, finalmente, a um tratamento que está fazendo muita diferença positiva.

Ralei muito e desnecessariamente até chegar a esse tratamento. Foi errado e prejudicial a minha desistência de quase um ano depois daquela primeira consulta, foi errado eu não ter procurado logo um outro médico, um outro tratamento, um profissional que fizesse eu me sentir segura. Foi errado eu ter de certa forma subestimado a doença e também seus possíveis tratamentos.

Hoje, mais de dois anos depois do início de tudo, eu sei que ser tão imediatista naquela situação não era solução, nem me fazia bem. Se eu pudesse hoje conversar com a menina que eu era dois anos atrás, saindo decepcionada daquela consulta, eu diria: acalma o coração, se tiver força reclama, se não tiver vai pra casa. Mas não desiste agora de encontrar um bom médico, uma solução madura. Profissionais ruins, infelizmente, existem aos montes, e você nem imagina o quanto de bem um tratamento correto pode te fazer e o quanto vale a pena procurar por ele. Tratamentos como o que você precisa demandam tempo e paciência, e vale a pena insistir na busca por um bom profissional. Nem sempre uma consulta vai ser uma porcaria só porque o médico é um cretino, como aconteceu com você hoje; existem casos onde a linha do psicólogo ou do psiquiatra simplesmente não é a adequada pro paciente. Você teve azar de topar com aquele senhor grosseiro e de má vontade, mas muitas pessoas apenas encontram profissionais com quem não combinam.

Vale a pena lutar contra os eventuais tropeços no caminho e buscar o melhor pra nossa saúde. Tropeços existirão de sobra, e os frutos de um tratamento eficaz são dos mais agradáveis.


Texto postado originalmente no blog pessoal “o gato na caixa de sapato“. Clique aqui para ler.


dedeblogDenise Dantas. Trescoroense, estudante de Letras, Aquário e Peixes. Unicórnio das trevas, mãe de cachorro, entusiasta de duendes, sommelier de caipirinha. Extremamente sensível, efusiva, de não tão fácil trato, acredita no amor. Chatinha, pequenininha, sincera e apaixonada, escreve e faz tudo pra acalmar o coração.instagram-logof88a80d5-d129-47fe-8053-cf057338f7b3

Anúncios

8 comentários em “Minha Primeira Consulta Com Um Psiquiatra Foi Um Lixo

  1. Obrigada por esse texto.
    Vai fazer 8 meses que eu parei meu tratamento contra depressão e ansiedade. Eu fui tão mal tratada que fiquei com medo de voltar no médico e passar pela mesma coisa!
    O médico agiu do mesmo jeito do seu primeiro. A segunda ficou reclamando pq o outro médico tinha passado remédio e eu tava em crise na emergência pra pegar mais (como se eu fosse uma drogada) e agora eu estou indo para o terceiro. Tô com receio… de me decepcionar, de ele não passar nenhum exame não me analisar direito. Do remedio não fazer efeito, etc…
    Me sinto um pouco mais tranquila pois esse é um dos meus maiores aperreios… não achar um médico bom que me ajude.
    Beijos

    Curtir

    1. Oi, miga ❤ não desiste do seu tratamento! Você vai encontrar um bom médico, tenho certeza ❤ não fica com medo de ser sincera e explicar tudo o que você já passou com relação a isso, pro próximo poder entender um pouco melhor seu receio. Beijo e volte sempre

      Curtir

  2. Uma vez eu fui. Meio que obrigada na verdade. Na época eu tinha anorexia/bulimia, e depressão fez parte disso, na verdade… Até hoje. Só que na época eu não sabia que tinha. Lembro-me que tinha me cortado e por um descuido, minha mãe percebeu e teve um susto ao ver tanto o corte, quanto outras cicatrizes de cortes anteriores. Então fui um pouco forçada a ir, porque não queria, sentia vergonha… Mas o que fazer quando sua mae fica desesperada ? Eu fui. Entrei no consultório e havia um senhor também, aparentava ter uns 60 anos. Minha mãe quis entrar comigo na sala, e ela ja foi logo puxando meu braço e mostrando a ele. Ele me perguntou o porque daquilo e eu travei. Perguntou sobre minha vida e enfim. Não estava me sentindo confortável e demorei uns minutos e comecei a falar aos poucos. Até que quando me dei conta, o psicologo estava dormindo. SIM, ELE DORMIU. Eu simplesmente levantei e falei com tom de voz alto para minha mãe. – vamos embora ? . Ele ouviu e abriu os olhos. Sabe o que ele disse ? – Bem, sua filha só quer chamar atenção. – Na mesma hora olhei pra ele com muita raiva e mandei ele se ferrar e sai do consultório. Por fim, imagino o quão merda foi você suportar tantos ” doutores ” imbecis. Sério mesmo. Deveriam ajudar e não prejudicar mais ainda alguém. Pode ter certeza, tudo o que menos queria era atenção, principalmente por aquilo. .-.

    Curtir

    1. Oiii, Talita ❤ desculpa a demora pra te responder. Essas consultas são mais comuns do que a gente pensa, né? Miga, ele DORMIU. A gente tem que aprender a dar risada pra não chorar com essas coisas. Espero que hoje você esteja melhor 🌼 beijo

      Curtir

  3. Aconteceu isso comigo na minha consulta à psicologa. Sei que tem algo errado comigo, que ter crises de choro, ansiedade, medo, pânico, e não ter vontade nenhuma pra levantar quase tds os dias não é normal. Ai fui procurar uma psicóloga, num dia em q me sentia péssima, e parecia q ela não tinha coração. Eu tava ali me esforçando pra falar, quase chorando, e ela simplesmente disse: na próxima consulta vc tem q falar mais e fim. Desmarquei a consulta seguinte e não voltei mais. E só o medo de encontrar outra psicóloga assim, ou de ir num psiquiatra q me trate assim ou q diminua meu problema, já desisto da ideia. Mas foi confortador ver o seu relato, me fez acreditar em dar mais uma chance e a lutar. Obrigada pela ajuda ❤

    Curtir

  4. Nossa, achar um médico bom é difícil. Eu só acertei de psiquiatra no meu terceiro.
    As outras duas não me maltrataram dessa forma, mas as consultas não eram tão extensas, não conversavam e explicavam tudo meu atual psiquiatra.
    Que bom que você encontrou uma que gosta, espero que o tratamento caminhe bem.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s